11 junho 2016

Alto Madeira: Viadutos servem de garagem e piadas em Porto Velho


Quem passa diariamente por uma das obras dos viadutos de Poto Velho, mais precisamente no antigo trevo da Avenida Campos Sales com a BR-364, se depara com vários tratores que estão encostados nas estruturas e logo imagina que as máquinas chegaram para a conclusão das obras.

A verdade é que as obras inacabadas e que há anos viraram pesadelo agora estão servindo de "garagem de tratores", e ainda, de "vitrine" para vendas de veículos, como acontece nas estruturas do antigo Trevo do Roque.
Neste dia 12, dia dos namorados, as obras inacabadas recebem homenagem irônicas nas redes sociais com seguinte frase: "Neste dia dos namorados, desejo que seu relacionamento seja como as obras dos viadutos de Porto Velho, não acabe nunca".
As obras paralisadas dos viadutos de Porto Velho se transformaram em verdadeiro pesadelo para os porto-velhenses. Foram várias manifestações e protesto da população para que as obras fossem retomadas, mas até o momento nada foi resolvido.
O caos foi até mesmo apresentado para o Brasil, através do programa CQC-Custe o Que Custar. Atualmente o que restou da obra é o motivo de chacota por parte de ativistas políticos que fazem o já conhecido "churrasco-de-laje", realizado nas estruturas dos que serão um dia os viadutos.
Há mais de 7 anos que os motoristas são submetidos a um verdadeiro teste de paciência e desespero ao trafegarem pelos antigos trevos: do Roque e da Campos Sales, devido as longas filas de veículo que são formadas principalmente em horários de pico.
No antigo Trevo do Roque, por exemplo, as passagens pelas obras inacabadas dos viaduto pode durar até 30 minutos devido ao engarrafamento que se forma. O mesmo problema pode ser conferido nas obras do viaduto na Avenida Campos Sales com a BR-364, com motoristas desviando caminho por dentro da estrutura que está sendo protegida pelos tratores.
As obras dos viadutos da Capital foram lançadas no (PAC)-Programa de Aceleração do Crescimento em 2009. O primeiro contrato para a construção foi firmado no mesmo ano entre a prefeitura de Porto Velho e a construtora Camter, desde então outras empreiteiras se arriscaram, mas nada fizeram. Assim segue a saga da construção dos viadutos de Porto Velho.
Entre discussões e revolta da população, uma nova notícia foi anunciada e reviveu as esperanças dos porto-velhenses quanto à conclusão das obras. A salvação pode ficar nas mãos do 5ºBEC-Batalhão de Engenharia e Construção , que já foi acionado e poderá assumir o serviço. Mas, tudo ainda depende de um estudo de viabilidade técnica que será feito pelo exército sobre os viadutos de Porto Velho.